Pessimismo existencial.

Entediada na banheira, comecei a brincar com a espuma. Batia na água, e as pequenas bolhinhas separavam-se rapidamente. Separavam-se para segundos depois encontrarem umas as outras e juntarem-se tão rápido quanto.
Isso me irritou. Muito.

E aí percebi.
Pessoas são como espuma de banho: vazias e carentes.

2 comentários:

Lygia disse...

Pessimismo total.

Mariana Godoy disse...

Tão carentes que ás vezes se isolam mais que espumas. Adorei o texto.