Palrice boba.

Claro que é melhor quando a distância só existe no papel... Mas outro dia ouvi que a distância existe até quando se está perto... que é como se multiplicassem os metros entre os nossos céus. Já já eu vou gritar - reação normal de quem não consegue mais se controlar, de quem precisa que ouçam o que se tem a falar.
Não tem um dia sequer que não penso em você e esse paradoxo de perto-distante, no coração-na cidade longe, está me sufocando. Mas estou presa, presa porque quis e ainda quero, e não quero nem vou fugir.

2 comentários:

Lygia Carvalho. disse...

Nossa, achei tão bonito.
É engraçado, nossa língua é a única que existe saudade. Saudade dói. ):
beijos.

Pedro Paulo di Souza disse...

è uma tortura !!!