Obrigada, e não vou esquecer você.

Eu conhecia um menino que dizia querer ter asas.
Não para voar, não, caro e enganado leitor, não.
Ele queria ter asas para proteger.
A si mesmo, ele falava segurando minha mão.

E toda vez que lembro dele,
acontece assim, não consigo evitar;
Penso mesmo
é que ele nunca pareceu precisar.

E aí lembro d'uma vez
que ele contou, encarando meu olhar
"Você é eu, e eu sou você;
não é bonito, esse jeito de querer?"

Esse jeito de querer
(de) me proteger.

2 comentários:

Dayds. disse...

Adorei *-* Achei o blog lindo :)

Anônimo disse...

belo.